Zêlha  |  bordo-de-montpellier, enguelgue

Acer monspessulanum L.

Família: Sapindaceae  ; Publicação: 1753

Distribuição geográfica: sul da Europa e estende-se para norte de forma pontual. Também no noroeste da África e sudoeste da Ásia. Em Portugal encontra-se com maior frequência no centro e norte interiores, mas também na estremadura.

Caducidade: caduca

Altura: raramente ultrapassa os 10 metros.

Longevidade: à semelhança da espécie Acer pseudoplatanus é possível que ultrapasse os 300 anos.

Porte: árvore ou arbusto de copa arredondada, tortuosa e ramificada desde a base.
Ritidoma: acinzentado, liso, tornando-se mais rugoso, fendido e escamoso com a idade.
Folhas: simples, opostas, longamente pecioladas, pequenas (3-8cm) e com três lóbulos, de rebordo inteiro e contorno ovado; verde-escuras na página superior, glaucas na inferior.
Estrutura reprodutiva: flores verde-amareladas, dispostas em cachos pendentes; frutos secos, dupla sâmara, provida de asas convergentes de cor avermelhada.
Floração: março, abril
Maturação dos frutos: outono

Habitat: prefere solos e climas secos; desenvolve-se melhor em solos calcários, embora possa viver em siliciosos. Aguenta a secura e pode viver em locais pedregosos e mesmo em fendas de rochas e cascalheiras. Ocorre até aos 1000m. Suporta bem a sombra e resiste a invernos muito frios. É de crescimento lento e alcança uma grande longevidade.

Usos e costumes: utilizada em jardins como árvore ornamental. A madeira é dura e compacta podendo ser usada para fabricar instrumentos musicais e carpintaria de luxo. Espécie mais desejada para o fabrico de ponteiras de gaitas-de-foles nas Terras de Miranda. A sua lenha é um bom combustível e as suas folhas utilizam-se como forragem. É útil na fixação de ribeiras e no combate à erosão do solo.

Modos de propagação: Os seguintes modos de propagação referem-se ao Acer pseudoplatanus, mas é possível que também se aplique a esta espécie. Contudo, sendo o Acer monspessulanum uma espécie de clima mediterrânico, talvez não necessite de tanto tempo de estratificação a frio. Por semente: semear assim que estiverem maduras, geralmente germina na primavera seguinte. Se guardar as sementes, ponha-as em água durante 24 horas e faça estratificação por 2 a 4 meses de 1 a 8ºC, mantendo sempre alguma humidade. A germinação pode ser lenta. A semente também pode ser colhida verde (quando já se tenha desenvolvido totalmente, mas antes de secar e produzir inibidores de germinação) e semeada logo de seguida. Deverá germinar no final do inverno. Se a semente for colhida muito cedo produzirá plantas muito fracas ou nenhumas. Quando tiverem o tamanho suficiente para manejar, mude-as para vasos individuais. Quando chegarem ultrapassarem os 20cm plante-as nas posições definitivas. Por mergulhia: demora cerca de 12 meses e resulta com a maior parte das espécies do género. Por estaca: estacas novas em Junho ou Julho, devendo ter 2 ou 3 pares de folhas mais um par de rebentos na base. Remova um pouco da casca na base. As estacas devem desenvolver-se durante o verão, caso contrário é provável que não resistam ao inverno.

Designação em inglês / espanhol: Montpellier maple / Arce de Monpellier

Estado de conservação:  NE | DD | LC | NT | VU | EN | CR | EW | EX

* NE (Não avaliada), DD (Informação insuficiente), LC (Não preocupante), NT (Quase ameaçada), VU (Vulnerável), EN (Em perigo), CR (Em perigo crítico), EW (Extinta na natureza), EX (Extinta)

Tendência populacional: decrescente | estável | crescente | desconhecida

Nota: Segundo a Lista Vermelha da IUCN. Estado de conservação a nível global. O seu estado e tendência em Portugal pode diferir.

Rúben Boas

zelhadesenho.jpg
zelhaf.jpg

Ruben Boas

zelhatr.jpg

Ruben Boas

zelhamapa.jpg

zona mais adequada à plantação