Queiró  |  magoriça, leiva

Calluna vulgaris (L.) Hull

Família: Ericaceae  ; Publicação: 1808

Distribuição geográfica: Europa e noroeste de África. Em Portugal está presente em quase todo o território excepto alguns locais mais secos do interior sul.

Caducidade: persistente

Altura: geralmente entre 20 e 100 cm

Longevidade: costumam atingir os 30 ou 40 anos

Porte: subarbusto ou arbusto baixo ramificado.
Ritidoma: ramos finos ascendentes e ramosos, castanho-acinzentados e algo escamosos.
Folhas: oposto-cruzadas, +/- pubescentes, sésseis, até 3,5 mm, com duas pequenas aurículas na base.
Estrutura reprodutiva: flores curtamente pediceladas reunidas em cachos terminais muito alongados; bractéolas superiores semelhantes a sépalas (sepalóides); 4 sépalas semelhantes às pétalas (cálice petalóide); corola com 3-4 mm de diâmetro, 4 pétalas rosadas a lilacíneas, raramente brancas, anteras inclusas; frutos de 1-2,5 mm, capsular com numerosas sementes.
Floração: estival ou outonal
Maturação dos frutos: na sequência da floração.

Habitat e ecologia: matos em solos ácidos localizados em depressões húmidas, muitas vezes turfosos, também em solos não depressionários nos territórios temperados ou mediterrânicos mais chuvosos. Prefere exposição solar total, mas tolera alguma sombra. Sobrevive em solos algo secos, mas não suporta seca prolongada. As plantas conseguem regenerar após incêndios. As flores, ricas em néctar atraem abelhas, moscas, borboletas nocturnas e diurnas. Tolera alguma poda.

Usos e costumes: as toiças são ainda utilizadas, depois de secas, no aquecimento de habitações e fornos de pão; no passado o carvão de C. vulgaris era muito apreciado. Frequente como planta ornamental. Da planta obtém-se uma tinta amarela e das raízes é possível fazer instrumentos musicais de sopro. É útil para recuperar solos secos.

Modos de propagação: Por semente: Semear assim que estiverem maduras, ou então em fevereiro num local com alguma sombra. Deve colocar-se as sementes à superfície ou ligeiramente cobertas de terra. Estratificar as sementes de 1 a 4 meses pode ajudar na germinação, mas normalmente germina dentro de 1 ou 2 meses a cerca de 20ºC. Quando as plantas crescerem o suficiente, mude-as para vasos individuais. Proteja-as no primeiro inverno e plante-as no exterior na primavera seguinte. Por estaca: estacas semi-lenhificadas com um nó (sítio onde se inserem folhas) de cerca de 4-5 cm, em julho / agosto. Também estacas lenhificadas da época de crescimento com 5-7 cm, com um nó, em outubro / novembro. Por mergulhia no outono. Ainda por divisão: Desenterre a planta 12 meses antes da divisão e replante-a 15-30 cm mais fundo no solo para fazer com que cresçam raízes ao longo dos ramos. Após o período de espera, desenterre a panta e corte secções dos ramos juntamente com as raízes. É melhor que estes sejam envasados até que ganhem mais raízes antes de os plantar no exterior na próxima primavera ou início de verão.

Designação em inglês / espanhol: Heather / Brezo

Estado de conservação:  NE | DD | LC | NT | VU | EN | CR | EW | EX

* NE (Não avaliada), DD (Informação insuficiente), LC (Não preocupante), NT (Quase ameaçada), VU (Vulnerável), EN (Em perigo), CR (Em perigo crítico), EW (Extinta na natureza), EX (Extinta)

Tendência populacional: decrescente | estável | crescente | desconhecida

Nota: Segundo a Lista Vermelha da IUCN. Estado de conservação a nível global. O seu estado e tendência em Portugal pode diferir.

queirodesenho.jpg

Rúben Boas

queirofl.jpg

Rúben Boas

queirofl2.jpg

Rúben Boas

queirotr.jpg

Rúben Boas

pilriteiromapatotal.jpg

zona mais adequada à plantação