Padreiro  |  bordo, plátano-bastardo

Acer pseudoplatanus L.

Família: Sapindaceae  ; Publicação: 1753

Distribuição geográfica: centro e sul da Europa, sobretudo nas montanhas, desde a Bélgica e Polónia até Portugal e Grécia. Em Portugal, embora seja uma espécie indígena é difícil distinguir as populações autóctones das naturalizadas.

 

Caducidade: caduca

Altura: até 30m

Longevidade: normalmente entre 150 e 200 anos, embora possa ultrapassar os 300

 

Porte: árvore de copa ampla oval e ramos abertos
Ritidoma: tronco liso e acinzentado que se torna com a idade mais escamoso e fendido.
Folhas: simples, opostas, de pecíolo comprido, muitas vezes avermelhado, palmadas e divididas em 5 lóbulos sinuado-dentados.
Estrutura reprodutiva: flores hermafroditas ou unissexuais, de simetria radial e cor amarelo-esverdeada, em cachos compridos e pendentes; período juvenil de 15-20 anos; fruto seco, dupla sâmara, provida de asas estreitas na base e amplas no extremo, que fazem entre si um ângulo de ca. 90º.
Floração: abril, maio
Maturação dos frutos: outono

 

Habitat e ecologia: prefere locais frescos e regiões montanhosas, contudo suporta bem o calor e a seca, é exigente quanto ao solo, o qual deve ser fresco e profundo. Indiferente ao pH. Espécie de sombra que ocorre até aos 1600m. Necessita de humidade ambiental. Temperaturas desejáveis compreendidas entre os 2 e os 18ºC. É um indicador de solos férteis. É muito resistente ao vento, tolerando alguma exposição marítima. Tem um crescimento rápido, estabelecendo-se rapidamente, inibindo o crescimento de outras plantas em seu redor.

 

Usos e costumes: madeira leve e fácil de trabalhar de cor pálida e grão fino, apreciada em carpintaria, tornearia e ebanisteria, fabricando-se instrumentos musicais e coronhas de armas de fogo. A folha, os frutos e o ritidoma da raíz foram utilizados como medicinais. Muito utilizada como ornamental.

 

Informações adicionais: fácil de confundir com Acer platanoides L., o qual apresenta folhas grandes (12x20cm), verde escuras, brilhantes, com pecíolos longos, palmatifendidas, com 3-7 lobos e recortes acuminados que permitem a sua distinção; dupla sâmara com asas em ângulo de ca. 180º.

 

Modos de propagação:  Por semente: semear assim que estiverem maduras, geralmente germina na primavera seguinte. Se guardar as sementes, ponha-as em água durante 24 horas e faça estratificação por 2 a 4 meses de 1 a 8ºC, mantendo sempre alguma humidade. A germinação pode ser lenta. A semente também pode ser colhida verde (quando já se tenha desenvolvido totalmente, mas antes de secar e produzir inibidores de germinação) e semeada logo de seguida. Deverá germinar no final do inverno. Se a semente for colhida muito cedo produzirá plantas muito fracas ou nenhumas. Quando tiverem o tamanho suficiente para manejar, mude-as para vasos individuais. Quando chegarem aos 20cm plante-as nas posições definitivas. Por mergulhia: demora cerca de 12 meses e resulta com a maior parte das espécies do género. Por estaca: estacas novas em junho ou julho, devendo ter 2 ou 3 pares de folhas mais um par de rebentos na base. Remova um pouco da casca na base. As estacas devem desenvolver-se durante o verão, caso contrário é provável que não resistam ao inverno.

Designação em inglês / espanhol: Sycamore Maple / Arce Sicómoro

Estado de conservação:  NE | DD | LC | NT | VU | EN | CR | EW | EX

* NE (Não avaliada), DD (Informação insuficiente), LC (Não preocupante), NT (Quase ameaçada), VU (Vulnerável), EN (Em perigo), CR (Em perigo crítico), EW (Extinta na natureza), EX (Extinta)

Tendência populacional: decrescente | estável | crescente  | desconhecida

Nota: Segundo a Lista Vermelha da IUCN. Estado de conservação a nível global. O seu estado e tendência em Portugal pode diferir.

padreirodesenho.jpg

Ruben Boas

padreirof.jpg

Ruben Boas

padreirotr.jpg

Ruben Boas

padreiromapa.jpg

zona mais adequada à plantação