Choupo-branco  |  álamo-alvar, faia-branca

Populus alba L.

Família: Salicaceae  ; Publicação: 1753

Distribuição geográfica: centro e sul da Europa, oeste da Ásia e norte de África. Em Portugal é um arqueófito de introdução muito antiga, embora existam populações indígenas na Península Ibérica; cultivado e escapado de cultura um pouco por todo o país.

Caducidade: caduca

Altura: até 25m

Longevidade: cerca de 150 anos

Porte: árvore de copa irregular a colunar
Ritidoma: branco ou acinzentado, gomos invernantes não viscosos
Folhas: de limbo branco-tomentoso em ambas as páginas, depois verde-escuro (superior) e branco ou verde-cinza (inferior); as dos braquiblastos, com pecíolo de 2-3cm e limbo 4-9 x 3-7cm, ovadas, subelípticas ou subpentagonais, sinuado-dentadas; as dos macroblastos, com pecíolo até 17cm e limbo 6-12cm, muito polimorfas de palmeado-lobulado a ovado-oblongo e geralmente de base auriculado-cordiforme.
Estrutura reprodutiva: árvore dióica; flores agrupadas em amentos unissexuais que abrolham antes das folhas, os masculinos com brácteas muito pilosas ou elíptico-cuneiformes, os femininos com brácteas pilosas ovado-lanceoladas; fruto, uma cápsula de ca. 4mm, oblongo-cónica.
Floração: fevereiro-abril
Maturação dos frutos: um mês depois da floração

Habitat e ecologia: em solos húmidos, por vezes em ambientes urbanos e na margem de cursos de água. Espécie de crescimento rápido que suporta bem a salinidade. Ocorre normalmente entre os 0 e os 1200m, embora possa chegar aos 2000m. É indiferente ao pH, mas não em solos siliciosos compactos ou calcários secos. Espécie de luz. Resiste bem à seca, mas sempre com o subsolo húmido; rega moderada a abundante. Pode suportar temperaturas mínimas de -15ºC e máximas de até 50ºC. É uma boa fonte de alimento para muitas espécies de larvas de borboletas. As suas raízes são muito agressivas e podendo danificar condutas subterrâneas e não deve ser plantado a menos de 12 metros de edifícios, pois podem secar o solo danificando as fundações. Esta espécie facilmente produz híbridos com outas espécies do mesmo género.

Usos e costumes: muito ornamental, porém com a característica desfavorável de levantar com facilidade os passeios e de rebentar de toiça, sendo as suas raízes muito invasoras. O seu ritidoma presta-se a usos medicinais como antipirético. Também pode ser utilizado para pasta de papel. A madeira, não sendo muito durável presta-se a usos como fósforos ou embalagens.

Modos de propagação: Por semente: semear assim que as sementes amadurecerem, na primavera. As sementes de choupo têm uma viabilidade muito reduzida e têm de ser semeadas logo após amadurecerem, à superfície ou com um pouco de terra a cobri-las. Quando as pequenas plantas tiverem tamanho suficiente para serem manuseadas, separe-as em vasos e proteja-as do frio. Plante-as nos locais desejados na primavera seguinte. (visto a espécie produzir híbridos com outros choupos, para garantir a sua pureza, deve colher-se as sementes de locais sem a presença de outras espécies de choupos) Por estaca: estacas lenhificadas do crescimento da última estação (20-40 cm, novembro/dezembro) numa zona exterior protegida ou diretamente nos locais permanentes. Por divisão de ramos ladrões no início da primavera.

Designação em inglês / espanhol: white poplar / álamo blanco

Estado de conservação:  NE | DD | LC | NT | VU | EN | CR | EW | EX

* NE (Não avaliada), DD (Informação insuficiente), LC (Não preocupante), NT (Quase ameaçada),VU (Vulnerável), EN (Em perigo), CR (Em perigo crítico), EW (Extinta na natureza), EX (Extinta)

Tendência populacional: decrescente | estável | crescente | desconhecida

Nota: Segundo a Lista Vermelha da IUCN. Estado de conservação a nível global. O seu estado e tendência em Portugal pode diferir.

choupo-brancodesenho.jpg

Rúben Boas

choupo-brancof.jpg
choupo-brancof2.jpg

plantae.altervista.org

choupo-brancofl.jpg
choupo-brancotr.jpg
choupo-brancomapa.jpg

zona mais adequada à plantação