Borrazeira-preta  |  salgueiro-preto

Salix atrocinerea Brot.

Família: Salicacea  ; Publicação: 1804

Distribuição geográfica: Europa atlântica, norte da África. Em Portugal está representada em todo o território exceptuando algumas zonas mais continentais do centro e sul.

 

Caducidade: caduca

Altura: até 15m

Longevidade: cerca de 70 anos

 

Porte: arbusto ou árvore dióica de copa pouco densa
Ritidoma: com longas fendas longitudinais nos indivíduos velhos, raminhos pilosos até aos 2 anos, depois glabrescentes e glabros, castanho-avermelhados ou pardo-acinzentados.
Folhas: simples, alternas, de 2-10 x 0,8-4cm, obovadas, oblongo-obovadas ou oblongo-espatuladas; com ápice agudo ou obtuso, base arredondada ou curtamente atenuada; margem revoluta inteira ou paucidentada; com pêlos ferruginosos em ambas as páginas ou só na inferior que é glauca; estípulas presentes, semicordiformes.
Estrutura reprodutiva: flores agrupadas em amentos anteriores às folhas, de até 1 x 7cm, sésseis ou sobre um curto pedúnculo, brácteas discolores densamente pilosas; as flores masculinas com 2 estames de filetes livres pilosos na base e 1 só nectário; as femininas com ovário piloso pedunculado e também 1 nectário.
Floração: janeiro a abril
Maturação dos frutos: abril, maio

Habitat e ecologia: margens fluviais, sítios húmidos e alagados. Ocorre dos 0 aos 2000m de altitude. Espécie de luz, indiferente ao pH do solo. Necessita de humidade edáfica permanente. Não suporta temperaturas extremas. Tolera ventos fortes mas não exposição marítima. Hibrida frequentemente com membros do mesmo género.

Usos e costumes: Por florescer tão cedo é uma importante espécie melífera. Por ter muitos nós não é boa para cestaria. Com o seu extenso sistema radicular é ideal para estabilizar terrenos, e também forma uma boa barreira contra o vento. Sendo membro do género Salix, contém salicina que, no corpo humano se transforma em ácido salicílico, usado no tratamento de febre, artrite, diarreia, doenças auto-imunes, etc.

Modos de propagação: Por semente: deve ser misturada com a terra, à superfície, assim que estiver madura. As sementes têm uma curta viabilidade, apenas alguns dias. Por estaca: deve-se cortar ramos de madeira madura crescida no presente ano, de outubro a janeiro, plantá-los nos locais definitivos e afastar outras plantas. Também com estacas de madeira semi-madura, de junho a agosto.

Informações adicionais: a S. caprea é semelhante à S. atrocinerea da qual se distingue por apresentar folhas maiores (5-15 x 2-8cm) com um indumento denso acinzentado aveludado, brilhante na página inferior, enquanto que S. atrocinerea apresenta pêlos ferruginosos. S. caprea aparece em bosques frescos e sombrios em Trás-os-Montes e na Serra do Gerês. Espécie indígena só muito recentemente descoberta em Portugal.

Designação em inglês / espanhol: Rusty Sallow / Sauce ceniciento

Estado de conservação:  NE | DD | LC | NT | VU | EN | CR | EW | EX

* NE (Não avaliada), DD (Informação insuficiente), LC (Não preocupante), NT (Quase ameaçada), VU (Vulnerável), EN (Em perigo), CR (Em perigo crítico), EW (Extinta na natureza), EX (Extinta)

Tendência populacional: decrescente | estável | crescente | desconhecida

Nota: Segundo a Lista Vermelha da IUCN. Estado de conservação a nível global. O seu estado e tendência em Portugal pode diferir.

borrazeira-pretadesenho.jpg

Rúben Boas

borrazeira-pretaf.jpg

Rúben Boas

borrazeira-pretaflm.jpg

Rúben Boas

borrazeira-pretaflf.jpg

Rúben Boas

borrazeira-pretatr.jpg

Rúben Boas

pilriteiromapatotal.jpg

zona mais adequada à plantação