Alfarrobeira 

Ceratonia siliqua L.

Família: Fabaceae  ; Publicação: 1753

Distribuição geográfica: região mediterrânica, sobretudo a zona oriental. Em Portugal encontra-se sobretudo no Algarve, mas também Arrábida e Lisboa.

Caducidade: persistente

Altura: até 15 m

Longevidade: normalmente de 200 a 300 anos

Porte: árvore de copa ampla, densa, ovóide ainda que irregular.
Ritidoma: castanho-acinzentado, tornando-se fendido e tortuoso à medida que envelhece.
Folhas: alternas, parifoliadas com 2-5 pares de folíolos com 3-5 x 3-4 cm, elípticos ou obovados, emarginados no ápice, coriáceos, inteiros; verdes escuros e brilhantes na página superior e glabros e páldos na inferior; estípulas caducas.
Estrutura reprodutiva: poligâmica ou dióica; flores geralmente unissexuais, raramente hermafroditas, reunidas em cachos sobre o caule ou a axila das folhas; perianto de 2-5 mm constituido por 5 sépalas esverdeadas, caducas; pétalas nulas, estames geralmente 5 (raramente 6-8); ovariofusiforme, serício; fruto, uma vagem com 10-20 x 1,5-2 cm, oblongo-linear, indeiscente, violáceo-acastanhada, pendente, com polpa açucarada entre as sementes.
Floração: maio a finais do outono
Maturação dos frutos: verão do ano seguinte

Habitat e ecologia: geralmente em solos derivados de calcários ou vérticos de basaltos, indiferente ao pH; solos muito húmidos são prejudiciais. Vive em altitudes baixas. Espécie de sol, que é resistente à seca. Necessita de um clima suave e quente, sendo sensível às geadas, não resistindo a temperaturas abaixo dos -5ºC. A árvore tem relações simbióticas com certas bactérias que vivem no solo. Estas bactérias formas nódulos e fixam o azoto da atmosfera. Este azoto é utilizado pela árvore mas também pelas plantas na vizinhança.

Usos e costumes: planta cultivada pelo fruto, que serve para alimentar o gado e para produzir sucedâneos de chocolate. As folhas utilizam-se para curtir. Usava-se como unidade de peso para os materiais precisosos da Idade Média (a palavra quilate recebeu o seu nome da palavra árabe querat que é a semente da Alfarrobeira.) Sendo uma planta dióica, verifica-se que a proporção entre indivíduos masculinos e femininos varia regionalmente por força do cultivo: em Lisboa e Arrábia, onde não houve exploração, predominam os machos; no Algarve, onde houve exploração intensa, predominam as fêmeas porque as árvores masculinas foram enxertadas.

 

Valores nutricionais da alfarroba (por 100 g / %DDR):

Energia: 222 kcal
Hidratos de carbono: 89 g
dos quais açucares: 49 g
dos quais fibra: 40 g
Lípidos: 0,7 g
Proteínas: 4,6 g

Vit. A: 14 IU (280%)
Vit. B6: 0,4 mg (31%)

Vit. C: 0,2 mg (0%)

Sódio: 35 mg (2%)
Potássio: 827 mg (17%)
Cálcio: 348 mg (35%)
Ferro: 2,9 mg (21%)

Magnésio: 56 mg (15%)

Modos de propagação: Por semente: Demolhe as sementes em água morna 24 horas, antes de semear. Se a semente não tiver inchado, demolhe um pouco mais até que isso aconteça. A germinação deverá ocorrer dentro de 2 meses. Assim que as plantas tenham o tamanho suficiente para serem mauseadas, separe-as em vasos profundos e deixe-as crescer em ambiente resguardado, pelo menos até passarem o seu primeiro inverno. Mude-as para os seus locais definitivos na primavera.

Designação em inglês / espanhol: Carob Tree / Algarrobo

alfarrobeira-desenho.jpg

Rúben Boas

alfarrobeira-folhas.jpg

Rúben Boas

alfarrobeira-frutos.jpg
alfarrobeira-floresf.jpg
alfarrobeira-floresm.jpg
alfarrobeira-tronco.jpg
abrunheiromapa.jpg

zona mais adequada à plantação